Facebook Twitter Youtube Linkedin |

Entenda a venda do controle do Walmart Brasil para Advent

Esta semana o mercado foi impactado com a notícia da compra do controle do Walmart Brasil pelo fundo norte-americano de investimentos Advent International, um dos maiores e mais experientes investidores globais em private equity.

Esta semana o mercado foi impactado com a notícia da compra do controle do Walmart Brasil pelo fundo norte-americano de investimentos Advent International, um dos maiores e mais experientes investidores globais em private equity. Sob os termos do acordo, a Advent adquiriu 80% do Walmart Brasil e o Walmart Inc. seguirá com os 20% restantes.

Segundo informações da Reuters, a rede, no Brasil, registrou prejuízo operacional por sete anos seguidos e perda de participação de mercado, com base na avaliação da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), de 2014 a 2017.

Diversas tentativas de reestruturação foram feitas ao longo dos anos para converter esse quadro, que foi agravado por questões fiscais e trabalhistas, assim como a mais recente crise econômica. Para a rede norte-americana, o Brasil deixou de ser interessante como mercado devido a todos esses problemas. De outro modo, várias de suas operações estão sendo revistas fora dos Estados Unidos, sobretudo em mercados emergentes como China e Índia.

Com parte das decisões estratégicas definidas na matriz em Bentonville, Arkansas, as lideranças locais não conseguiram reverter o desempenho nos últimos anos, assim como a perda de participação de mercado de suas operações, mesmo ainda mantendo o posto de terceiro maior varejista em volume de faturamento do país.

Presente há 23 anos no Brasil, o Walmart possui hoje 438 lojas em 18 estados, com 55 mil funcionários nas suas diferentes bandeiras, formatos, negócios e canais. Em 2017, as vendas totais da empresa foram superiores a R$ 25 bilhões.

OPERAÇÕES ADQUIRIDAS PELO WALMART NO BRASIL
O Walmart iniciou sua a operação brasileira em 1995, na época em sociedade com aos controladores das Lojas Americanas, e hoje opera nove bandeiras no país como resultado da incorporação de negócios com diferentes marcas, regiões, canais e formatos.

• Maxxi Atacado: atacarejo no Sul, Sudeste e Nordeste (2005)
• Sam’s Club: clube de compras em todo o Brasil (1995)
• TodoDia: supermercado de bairro no Sul, Sudeste e Nordeste (2001)
• BIG: hipermercado na região Sul (2005)
• Hiper Bompreço: hipermercado na região Nordeste (2004)
• Bompreço: supermercado na região Nordeste (2004)
• Mercadorama: supermercado no Paraná (2005)
• Nacional: supermercado no Rio Grande do Sul e Santa Catarina (2005)

RAZÕES PARA AS DIFICULDADES BEM COMO O QUE ESPERAR COMO REFLEXO DESTE MOVIMENTO
• Every day low price (EDLP) é a base mundial da estratégia de preço do Walmart que não funcionou no Brasil pela questão da informalidade do mercado local e inviabilidade de redução estrutural de custos.
• O varejo é um setor altamente complexo para ser administrado com decisões estratégicas à distância, especialmente em um país como o Brasil, com suas características regionais, com a volatilidade do comportamento da economia e com a realidade em constante mutação.
• Dificuldades na integração em todas as regiões, negócios, bandeiras e formatos adquiridos no Brasil ao longo do tempo em uma operação única e eficiente
• Operação digital sem integração com as lojas físicas.
• Excelência nas operações das lojas nunca foi viabilizada pela complexidade operacional.
• Formatos com melhor desempenho no varejo brasileiro, como atacarejo e lojas de proximidade, não foram desenvolvidos e privilegiados nos últimos anos.

O QUE SE PODE ESPERAR COM ESSE MOVIMENTO?
• Aumento da concorrência, em especial entre os quatro maiores varejistas de super e hipermercados, mas também com reflexo em outros segmentos e mercados.
• Provável venda de ativos para concentrar a operação nas regiões, formatos e bandeiras com melhor desempenho e maior condição de retorno no curto prazo.
• Aumento da agilidade decisória, mais flexibilidade e foco no mercado com potencial incremento de resultados.
• Reconfiguração de todo negócio, adaptando-se mais rapidamente às transformações no Brasil.
• Fornecedores ganharão uma opção mais estruturada, ágil e focada em desempenho de curto prazo e os concorrentes diretos enfrentarão uma empresa com maior poder de decisão local.

O conhecimento do mercado local e experiência de varejo da Advent podem ajudar a posicionar o Walmart Brasil na geração de resultados significativos e recuperar participação de mercado.

QUEM É A ADVENT?
• A Advent é um fundo global de private equity com forte presença local e ampla experiência em investimentos de varejo no Brasil e no exterior.
• Desde a abertura de seu escritório em São Paulo, em 1997, o fundo já investiu em 30 empresas brasileiras de diversos setores.
• A Advent atua nos segmentos de varejo, consumo e lazer em todo o mundo há 28 anos e completou 75 investimentos em 22 países.
• No Brasil, a Advent tem participações na Dufry, Quero-Quero, Allied, IMC, Fortbras, Estácio, Easyinvest e Restoque. A empresa vendeu sua participação no Grupo Fleury em 2017.

QUAIS OS POTENCIAIS TARGETS ESTRATÉGICOS PARA UM FUTURO INTERESSE PELA OPERAÇÃO DO WALMART NO BRASIL?
El Corte Inglés (Espanha): www.elcorteingles.es
Grupo Auchan (França): www.auchan.fr
Sonae (Portugal): www.sonae.pt
Tesco (Inglaterra): www.tesco.com
Metro (Alemanha): www.metrogroup.de
Amazon (Estados Unidos): www.amazon.com
Alibaba (China): www.alibaba.com

Outro potencial way out para o investimento da Advent no Walmart Brasil poderá ser um IPO num prazo dificilmente inferior a cinco anos, com a pulverização do controle, em modelo similar ao realizado na Renner.

A experiência do Walmart no Brasil em 23 anos mostra que, também no varejo, o país não tem nada de simples ou fácil, mesmo para o maior operador do setor no mundo. E que o que dá certo em outros mercados não necessariamente irá funcionar por aqui. A estratégia de rápida incorporação de diferentes modelos de negócios, formatos, bandeiras e canais, por expansão orgânica e mais aquisições, o que num primeiro momento parecia adequado para assumir rapidamente um papel protagonista no país, se transformou no problema maior por ter inviabilizado uma integração virtuosa de todo o sistema. E tudo isso foi agravado pelo fato de que o núcleo principal de decisão esteve distante do mercado local, apesar da competência e maturidade da gestão local, e pela característica volatilidade da economia e do mercado brasileiro.

Leia a matéria original em: Negócios em Foco