Facebook Twitter Youtube Linkedin |

‘Semana do Brasil’ deve incrementar vendas do comércio em setembro

Agora é oficial: o governo federal lançou nesta quarta-feira (28) a Semana do Brasil, durante o congresso de varejo Latam Retail Show, realizado na capital paulista. A partir de agora, o período entre 6 e 15 de setembro entra no calendário do comércio com ações promocionais para estimular vendas num mês habitualmente morno para o setor.

Essa espécie de “Black Friday antecipada”, que será realizada nos mesmos moldes da ação promocional criada nos Estados Unidos, é uma ideia discutida há bastante tempo entre entidades varejistas. Agora, ela se concretiza num momento em que a economia precisa de estímulo, e deve ser puxada pelos saques do FGTS e a antecipação do 13º salário dos aposentados.

A Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) e a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que já discutiam possíveis ações locais para impulsionar o comércio na Capital e no interior em setembro, agora apoiam a iniciativa do governo em sinergia com mais de 40 entidades, como o IDV (Instituto de Desenvolvimento do Varejo).

Alfredo Cotait Neto, presidente da Facesp e ACSP, afirma que ambas já orientam seus associados a participarem da Semana, que concide com as comemorações da Independência do Brasil (7 de setembro). A ideia é que os comerciantes direcionem estratégias para oferecerem preços promocionais, descontos exclusivos e ambientação diferenciada na loja física e na virtual.

“É um esforço de vendas para reacender um pouco a economia, uma ação comercial onde os consumidores terão vantagens, e o varejo terá uma oportunidade de vender um pouco mais”, afirma o presidente. “Também é um forma de pontuar o patriotismo, o sentido do Dia da Pátria, mas que será comemorado de uma forma mais completa”, reforça Cotait Neto, que acredita que a nova data promocional do calendário do varejo brasileiro “veio para ficar.”

SERÁ QUE PEGA?

Assim como no periodo em que a Black Friday chegou ao Brasil via e-commerce no longínquo ano de 2010, e hoje virou um sucesso de vendas que cresceu 23% em 2018, faturando R$ 2,6 bilhões só na sexta-feira (dados da Ebit/Nielsen), por enquanto é difícil mensurar o quanto as vendas podem crescer na Semana do Brasil, diz Marcel Solimeo, economista da ACSP.

Afinal, apesar do estímulo para vender mais, nenhum comerciante é obrigado a aderir à ação. “É difícil saber qual seria o grau de adesão, embora haja uma expectativa de que ela seja bastante expressiva por conta das perspectivas de movimentar um mês tradicionalmente fraco e adicionar um extra no faturamento da loja”, afirma.

Mas como fazer um consumidor que ainda se mantém cauteloso e com medo de gastar abrir a carteira durante a nova semana promocional? Segundo Solimeo, há dois desafios a enfrentar: o primeiro é atrair o consumidor para a loja. Já o segundo é fazê-lo comprar na loja. Para isso, é preciso oferecer promoções muito competitivas para dar certo.

“Estamos no fim da estação, e muitos lojistas ficaram estocados porque o inverno demorou a chegar”, afirma. “Se o friozinho continuar nos próximos dias, dar bons descontos nesses itens e em outros com giro menor podem gerar resultados interessantes. Mas lembre-se: primeiro é preciso conseguir atrair o consumidor para dentro da loja.”

Leia a matéria original em: Diário do Comércio